"No tempo em que Benjamin apreciava as belas-artes, constatou que os santos, os patriarcas, os reis, as personagens nobres costumam ser retratadas de boca fechada. A galeria os boquiabertos é ocupada por mendigos, imbecis, pastores, centauros, bacantes, músicos, homens atormentados, esgoelando-se, loucos na nave louca, danados no Juízo Final, assim como Eva expulsa do Paraíso, a adúltera e seus apedrejadores e Maria Madalena, antes de ser santa, que como bónus mostra os seios. O contrapesa da boca e sexo expostos é usual nos inocentes; anjos, faunos, crianças, o próprio Menino Jesus. Já adulto, Cristo faz as suas pregações e pronuncia as suas parábolas sem abrir a boca.(...) Ao descer no ponto final, Benjamin pensa no tempo em que viajava pelo mundo, pensa que percorreu museus e catedrais de ponta a ponta, pensa que viu tudo, mas nunca encontrou uma Virgem de lábios descolados."

(ainda o Chico, iconografando sensualidades. Ou como a boca é a única porta que importa deixar entreaberta)

Nenhum comentário: