(O Codigo da Vignon, Prologo)

Era agora, nos últimos momentos de vida, que ele percebia toda a verdade! Era irónico, ter andado a vida toda à procura dela e depois vir a encontra-la na aqui, neste sitio! Afinal a verdade estava diante toda a gente e ninguém dava por ela.
Enquanto olhava maravilhado ouviu um ruido surdo, corredores atrás. Já tenho pouco tempo, pensou. Tenho que fazer alguma coisa! Mas o quê? Foi então que ele a viu, não tinha muito tempo e não sabia se ia resultar, mas era a única oportunidade...

Um segundo depois de acabar, viu o seu inimigo! O quê?? Afinal eras tu este tempo todo?? O espanto e o horror assaltavam a mente dele, não queria acreditar! Mas a pistola de Plexiglas e a tatuagem no rabo não deixavam espaço para dúvidas!! Era mesmo ele o assassino.

~Então dr. vamos lá fazer isto da maneira mais rápida! Eu conto até 3 e depois disparo!
1
2
....PUM....
~Eheh, desculpe lá Dr. mas assim é mais giro!!

A dor era lacinante, mas ainda assim doia menos que as plásticas que tinha feito. Há medida que o assassino se punha na alheta. Ele ainda teve tempo de dar uma última olhada para o que tinha estado a fazer. Espero que ele o veja a tempo, pensou.

Nos últimos segundos de vida, Manuele Luízio Gouxa ainda teve tempo para se lembrar que tinha deixado o arroz ao lume, agora já não havia nada a fazer...

5 comentários:

Anônimo disse...

O meu irmão escreve muito melhor que tu. Não acreditam? Pois bem, eu tenho uma dica para vós.

o-meu-irmão-é-o-maior.blogsopt.com

Anônimo disse...

sabes quem é que escreve bem? mesmo, mesmo bem? mesmo mesmo bem?
olha, vai ao blog, eu-não-sou-o-maior-o-meu-irmão-é-que-é-rodas-baixas.blogspot.com

Anônimo disse...

Eu fui..

Anônimo disse...

Eu estive lá...

Anônimo disse...

E eu....... estou aqui.