"Como numa criptografia, nas diferenças dos movimentos atómicos, o homem interpreta: ali o sabor de uma gota de agua do mar, ali o vento nas escuras casuarinas, ali uma aspereza de metal polido, ali a fragrância do trevo na hecatombe do Verão, aqui o teu rosto. Se houvesse uma mudança nos movimentos dos átomos, aquele lírio seria, talvez, o golpe de agua que derruba a represa, ou uma manada de girafas, ou a gloria do entardecer. Uma mudança no ajuste dos meus sentidos faria, talvez, das quatro paredes desta cela a sombra da macieira do primeiro pomar..."
W.B

Nenhum comentário: