Crónicas de uma Hospedeira Explorada apresenta...
...A Prova Oral

A saudável trabalhadora sabe que já lhe passaram a perna quando ouve a expressão “Degustação”. É a mesma, mais um palavrão requintado para dizer “dar de comer ao povo”. E isso não era nada mau se o objectivo fosse caminhar nessa ascenção espiritual que leva ao esgotamento nervoso ou à canonização do santo.
Mas não. A hospedeira vai tentar dar de comer. O que é igual a dizer que vai ser comida viva.
É que a degustação não é refeição. A degustação é um masoquismozinho ao paladar, é uma irónica provocação, é uma frustração em migalhas, serve de tanto como ganhar o Rodrigo Santoro como presente de Natal com a condição que se lhe tocarmos ele vira gay. Portanto, degustar não é comer, degustar nem é petiscar, degustar vem de desgosto+custar, ou seja, não chega a haver gosto para ninguém e custa que se farta.


Façamos o seguinte exercício para ver se me estão a seguir…
O que é que a Pamela Anderson tem a ver com a degustação do último queque da “danqueque”?…..exactamente! Quando se faz a degustação do queque só se oferecem as “maminhas” E não digam que não pensaram logo nisso!

Bem, a verdade é que ninguém, no seu perfeito estômago, quer comer uma mini-tosta com 0,05 gramas de salmão ou 1/80 de torta de chocolate. A não ser que seja….GRATES. Ora bem, e é ai que aparece a suave hospedeira, que, qual Rainha Santa Isabel (primeira personagem histórica a ter que fazer uma degustação épica) vai ter que dar aos esfomeados de pouco, o ainda menos que tem entre saias, que é como quem diz, na bandeja.

Se fossem rosas, senhor, só se degustavam as pétalas, como consta que eram carcaças e papo-secos, a plebe medieval mastigava bocados dos cujos e dizia “ estão e o resto, pá?”. Pois é mesmo isso que, passados séculos, diz a plebe pós-moderna depois de degustar um shot de Cozido à Portuguesa ou uma ameijoa à Bulhão Pato na expo-emigrante.
E assim se passa a famosa cena.

-Ó hospedeira, onde é que pensa que vai com essa bolacha Maria?
-Então mas a patroa não disse que era para fazer a degustação?
-Claro que disse. Não seja parva e parta-me isso aos bocadinhos.

E então, a pobre hospedeira olha para aquelas migalhas todas e depois para o povo esfomeado à sua frente, ajeita as saias e, olhando para o céu da FIL, benze-se com toda a força...

-Aiii, valha-me Santa Isabel!

Um comentário:

Atacadores disse...

Para quando mais crónicas???